Calendário

 «  < Mar 2021 >   »
SuMTWThFS
6

Diário de bordo 10 de fevereiro de 2021 - 2° Encontro às Quartas 6°D e 8°A

Share

Projeto Cultural de Escola EBIR - Plano Nacional das Artes enquadramento no
Projeto "Fenais a Fenais:Cultura Matriz do Desenvolvimento Local"

Diário de bordo 10 de fevereiro de 2021  

 

2° Encontro às Quartas 6°D e 8°A

 

     Já passaram sete dias desde que partimos rumo à Grande Aventura.

     Foram dias muito enriquecedores.

    No primeiro dia mal tínhamos saído do porto “Primeiro Encontro às Quartas”, a Maruja Letícia, contou-nos a história do Senhor Carlos Ledo, de 38 anos, Pescador em Rabo de Peixe. Ele estava Desanimado sem Esperança naquele dia de Pescaria, regressavam para casa muito desiludidos pois não traziam nada, quando de repente vindo “dos Céus”, um Grupo de Garças mostrou-lhes o Caminho e fez com que esse dia fosse a Melhor Aventura passada no Mar, conseguiram trazer para casa 4 toneladas de peixe.

    Que bom foi ouvi-la conseguimos sentir todo o Entusiasmo e Alegria que o Senhor Carlos sentiu, fez-nos também perceber que Nunca devemos perder a Esperança, por muitos obstáculos que tenhamos pelo Caminho.

    O Mar estava calmo. Trazia-nos à Memória a Terra que tínhamos deixado para trás.

    A Maruja Sofia no nosso terceiro dia contou-nos uma História de Saudade. A Senhora Maria Goretti quando era Criança via o Mar Todos os dias. Em Adulta teve que deixar a sua Terra para estudar. Foi para a Guarda, uma cidade que fica rodeada por Montanhas.

(Uma vocês conhecem muito bem é a Serra da Estrela.)

     Muitas vezes olhava para elas e imaginava que estava a ver o Mar, sentia a falta do seu Cheiro, das Ondas a Bater e de senti-lo na Cara. O Mar faz parte de se Ser Açoriano.

    Fez-nos muito bem ouvir a Maruja Sofia, obrigou-nos a parar e mergulhar num Mar de Emoções.

   A Companheira Cláudia com a sua voz radiofônica disse-nos que a Ideia é continuarmos a avançar mesmo com Medo vale a pena Mergulhar.

    Quando ouviu a palavra Medo, a Maruja Matilde lembrou-se da história da Senhora Leopoldina, de 61 anos. Quando era mais nova tinha ido fazer um piquenique com os Amigos. Para finalizar esse dia Fantástico foram até aos Mosteiros. Os Amigos sabiam que ela não sabia nadar, então resolveram pregar-lhe uma partida, puseram-na numa boiá Grande preta e levaram-na para bem longe. Deixaram-na sozinha durante algum tempo, quase entrou em Pânico. Depois de se rirem muito dela foram-na buscar. Uma Aventura que a Senhora Leopoldina jamais esquecerá.

     Ao longe começamos a ouvir o som das Matracas que a Maruja Diana conhecia muito bem, pois o seu avô usava-as para espantar os pássaros dos Sarrados de beterraba. Sarrados são terrenos enormes, explicou-nos a Diana.

    Se estávamos a ouvir os pássaros a fugir sabíamos que uma Tempestade se aproximava.

     A Maruja Érica para nos acalmar contou-nos a história do Senhor Eduardo, de 59 anos, nascido no Bairro dos Pescadores. Ano de 1980, 16 tripulantes tinham ido pescar para o Nordeste num Barco de Boca Aberta, de repente foram apanhados por uma Grande Tempestade. Não conseguiam regressar a Rabo de Peixe pela costa Norte, pois o vento era muito forte. A tripulação sabia que não podia desistir, então resolveram regressar pela costa Sul. As ondas eram muito Grandes, tinham entre 3 a 4 metros, demoraram 4 horas a chegar a Vila Franca do Campo.

    A Maruja Érica conseguiu acalmar-nos, fez-nos perceber que apesar das Tempestades há sempre outros Caminhos para explorar até chegarmos a bom porto.

      Esta primeira semana de viagem trouxe-nos muitas histórias.

     A Companheira Cláudia falou-nos das “Ninjas do Mar Ama-san”, do Japão. Ficamos com curiosidade em conhecê-las, pois somos “Almas Gémeas”. AMA, significa Pessoas do Mar, e Nós somos Filhos Dele.

     A Companheira Margarida de “Fenais a Fenais” com toda a sua doçura trouxe-nos “Ama-san”, para que pudéssemos conhecer Pessoas com Histórias, através dos Olhos da Companheira Cláudia, que são a Chave para podermos Mergulhar com essas Mulheres que como Nós vivem junto ao Mar.

    Atracamos hoje no porto “Segundo Encontro às Quartas”, pois a Arte em geral obrigou-nos a parar para conversar.

    A Companheira Maria Emanuel está a gostar muito de ter embarcado nesta viagem. De estibordo enviou-nos sinais através da “Garrafa” trazida pela “Menina do Mar”.

     A navegação continua. Nos próximos dias vamos ouvir a história contada com muita emoção da nossa Maruja Melinda e outras histórias virão. Com elas chegaremos “À Nossa Grande Aventura”.

     Eu o “Grilo Falante” deixo-vos a última história desta semana Fantástica. O Mar e a Saudade que há em Mim. Desde tenra idade que sentir Saudade de ver o Mar, era sentir Saudade da sua vastidão, do seu sal, do Cheiro a Maresia, de Mergulhar e senti-lo em Mim. Hoje sentir Saudade tornou-se um Misto. Tenho o Mar a rodear-me, traz-me Memórias de infância e por vezes provoca-me um Choro Profundo que se Funde na sua Imensidão. Quando olho para Ele sinto Saudades dos Meus, da minha Terra que fica atrás dos Montes. Quando regresso à Terra onde Nasci, aos Braços que me Confortam, volto a sentir Saudade do Mar, da sua Imensidão e da sua Presença Diária.

     Continuo no leme da Nau “TEAMS”, com a Melhor das Tripulações.

Beijinhos docinhos recheados com muita ternura e um abraço muito apertadinho repleto de muita luz. 

Sónia Franco

 

JoomSpirit